página inicial   |    quem somos   |    como pesquisar   |    anuncie   |    fale conosco
     Agenda:      Feiras    /    Cursos Presenciais    /    Eventos                                                                                     Receba o Viaseg News
PESQUISA RÁPIDA:
produto ou serviço:


Danos Morais - Churrascaria é condenada por demitir funcionário doente


17/05/19

 Juíza do Trabalho em São Paulo considerou que houve discriminação por parte da empresa e fixou indenização de R$ 100 mil

 
São Paulo – A demissão de um trabalhador com câncer levou à condenação de uma famosa churrascaria de São Paulo, porque a 57ª Vara do Trabalho (primeira instância) considerou que houve discriminação na dispensa. Por isso, condenou a Rodeio a pagar R$ 100 mil de indenização por danos morais e multa pela chamada litigância de má-fé. Em sua defesa, a empresa alegou que só teve conhecimento da doença durante o processo. Cabe recurso.
 
Depois de quase sete anos de serviço, um garçom foi demitido dois meses após receber alta previdenciária, segundo a Justiça do Trabalho. "Embora a defesa alegasse o desconhecimento do câncer linfático, o preposto confessou que todo o tratamento – que incluiu quimioterapia, radioterapia e internação –, foi realizado pelo plano de saúde da empresa, e que a reclamada tinha um parecer do médico do trabalho indicando que o trabalhador estava apto, mas não curado", relata a assessoria do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região.
 
A juíza Luciana Bezerra de Oliveira, da 57ª Vara, considerou que o empregador não conseguiu comprovar que a dispensa ocorreu por dificuldades financeiras. No processo, a churrascaria demonstrou que outros funcionários foram demitidos na mesma época, mas na análise dos documentos a Justiça constatou que não houve corte, mas substituição de mão de obra. 
 
"É evidente que o rompimento do contrato de trabalho, em um momento tão delicado e complicado, trouxe ao reclamante danos de natureza moral. No momento da dispensa, o reclamante, ainda com necessidade de prosseguir com seu tratamento, foi impedido de utilizar o plano de saúde contratado pelo empregador; permaneceu desamparado e, conforme consulta ao Caged, continua desempregado até os dias atuais", ressaltou a juíza, referindo-se ao Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado mensalmente pelo governo.
 
Ela afirmou ainda que o Brasil é signatário da Convenção 111 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), sobre não-discriminação. E cabe ao empregador comprovar que não houve conduta discriminatória.  
 
A juíza aproveitou ainda para ressaltar o que considera inconstitucionalidade de um dos itens da lei da "reforma" trabalhista, que determina o salário dos trabalhador como base para indenizações. Se fosse aplicada essa regra, um ajudante e engenheiro que tivessem sofrido o mesmo acidente e perdido o mesmo membro, receberiam valores distintos, exemplificou. "A dignidade de um não pode valer mais do que a dos outros dentro de um mesmo acontecimento, no mesmo lugar e ao mesmo tempo."
 


Fonte: Rede Brasil Atual


Envie essa notícia para um Amigo


Seu Nome:

Seu E-mail:

Nome do Amigo:

E-mail do Amigo:

Mensagem:




Pesquisar Cursos













     Agenda:      Feiras    /    Cursos Presenciais    /    Eventos                                                                                     Receba o Viaseg News


Área do Anunciante                     Maquinas Industriais   /   Br Domínio Hospedagem de Sites   /